Líder Coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas
Autor: Aldo Contim

O coaching é um processo baseado na competência comportamental, psicológica e emocional para o desenvolvimento do indivíduo na busca de melhores resultados profissionais e pessoais.

A modernização do ambiente empresarial trouxe consequências no desenrolar das estruturas integrais de trabalho e na capacidade individual em produzir.

Tem-se por meta a integração plena do trabalhador no ato de planejar e organizar o trabalho, sempre com vistas a atingir objetivos específicos.

Então, o líder empresarial deve alargar seus horizontes, rompendo com as marras da burocracia organizacional para obter seu padrão de excelência e produtividade.

Neste cenário, surgiram as metodologias e técnicas de trabalho que atribuem competência e realização aos agentes do trabalho, conhecida por liderança coach.

O entendimento do processo de coaching tem como princípio observar a primazia dos agentes de trabalho em se comprometer a nível pessoal e coletivo com os resultados desejados, ou seja, fazer a transição de uma situação, o desfavorável para outra favorável, com base na visualização e comprometimento com a meta a ser atingida, como caminho para a sua própria realização profissional.

A construção teórica deste estudo foi elaborada por meio da metodologia de revisão bibliográfica e levantar diferentes pesquisas, com o intuito de analisar, investigar e estudar os diferentes conhecimentos científicos sobre o assunto proposto, comum caráter pragmático, um 2 processo formal e sistemático de desenvolvimento do método científico. A metodologia deseja descobrir respostas para problemas mediante o emprego de procedimentos científicos.

Para o International Coaching Federation (ICF), ¹ o coaching profissional é: Uma parceria com o cliente em um instigante e criativo processo que inspira a maximizar o seu potencial pessoal e profissional, que é particularmente importante no ambiente incerto e complexo de hoje. O ICF ainda afirma que: “O coach honra o cliente como o expert em sua vida e trabalho e acredito que cada cliente é criativo, inventivo e completo.” Para Whitmore (2009) Coaching é um processo de mudança e transformação focado em futuras possibilidades e não em erros passados. Whitmore ainda afirma:” Coaching não é uma simples técnica a ser transmitida e aplicada rigidamente em determinadas circunstâncias prescritas.

E um modo de gerenciar, de lidar com pessoas, de pensar e de ser”. Segundo Pons (2019) a intenção aqui é despertar em você uma mentalidade que é bem diferente daquela da chefia, que apenas cobra resultados, e utiliza o coaching como filosofia de liderança, uma vez que acredita nos resultados a partir do desenvolvimento contínuo do potencial dos profissionais que estão na sua equipe.

Para Pons (2019), esse estilo de liderança aprimora o desempenho e desenvolve o potencial e o propósito nas pessoas. Além disso, essa forma de liderança inovadora dispõe ainda de qualidades essenciais para a condução dos seus liderados, tais como autoconfiança para delegar as tarefas, monitorar e conduzi-las, ouvir seus colaboradores na essência, dar feedbacks realistas compartilhar suas experiências e conhecimentos, respeitar as opiniões divergentes, conciliá-las e, com isso, inspirar e motivar seus liderados no alcance das metas.

Conforme Whitmore (2009) comandar ou fazer perguntas fechadas evita com que as pessoas tenham que pensar. Já fazer perguntas abertas levam-nas a pensar por si mesmas. Segundo Whitmore (2009), para que as perguntas possam realmente atuar de forma eficiente nós devemos seguir uma sequência de questionamento com quatro tópicos distintos conhecidos pela sigla em inglês (GROW, que sugestivamente significa crescimento).

Na ótica de Araújo (2011), a primeira etapa de entendimento do procedimento coaching reside em oportunizar os indivíduos, no sentido de seu auto comprometimento, no afã de através de tal obter os resultados almejados, migrando da situação de perenidade para outra com propósitos firmes de elevação da competência e capacidade laboral, por meio da indicação de caminhos efetuada pelo líder coach nas reuniões e observações por este empreendidas.

Conforme Araújo (2011), o procedimento coaching é lícito de entendimento como algo que tem direcionamento na elevação da capacidade de trabalho do indivíduo, equipe de trabalho, ou da organização como um todo, por intermédio de métodos, ferramentas tais como a 5W2H, e demais técnicas sob condução do profissional gabaritado na liderança coach que estabelece firme parceria com seus pares.

Conforme DI Stefano (2000), fundamentalmente a relação do líder coach com sua equipe é permeada de valores amorosos, de escuta contínua das queixas e indicações de melhorias operacionais.

Tal parceria tem fim último em ajudar o outro a obter um resultado almejado em certo intervalo de tempo, em um modo contínuo de sinergia que gera produtos e processos em espiral e melhores, elevando as competências e habilidades dos membros da equipe de trabalho continuamente.

Tais propósitos vão além das concepções costumeiras acerca da liderança, que são calcadas na figura do comandante das ações. Os verdadeiros líderes têm consciência de seu poderio pessoal e o emprega em favor do alcance dos objetivos coletivos da organização que em última instância permeiam benefícios a todos os demais.

Segundo Marion (2019), o grande objetivo de um processo de coaching e materializar mudanças (exteriores) a partir de transformação (interior) de pessoas. Um exemplo disso ocorre quando mudamos a nossa forma de pensar sobre algo ou alguém, mudamos nossa perspectiva sobre um relacionamento ou ainda quando mudamos nossa disposição emocional: isso afeta significativamente as possibilidades à nossa volta.

Ter um recurso interior a mais possibilita que você faça o que antes parecia inviável, até impossível. O coaching funciona como um relacionamento de parceria. Que segundo Marion (2019) esse relacionamento dá-se entre o “coach”, aquele que aplica o processo de coaching, e o coachee, aquele que recebe o coaching. Tais propósitos vão além das concepções costumeiras acerca da liderança, que são calcadas na figura do comandante das ações.

Os verdadeiros líderes têm consciência de seu poderio pessoal e o emprega em favor do alcance dos objetivos coletivos da organização que em última instância permeiam benefícios a todos os demais.

Deve apresentar a literatura básica sobre o assunto, pelo resumo dos resultados de estudos feitos por outros autores. A literatura citada deve apresentar a evolução do tema de maneira integrada e preferencialmente em ordem cronológica. Todo documento citado e analisado deve constar na lista de referências ao final do trabalho.

Leia o artigo na íntegra
Acesse nosso blog para mais artigos.